Total de visualizações de página

quarta-feira, 4 de outubro de 2017

Não vai dar em nada, lamentamos



Parecer sobre denúncia contra Temer será apresentado até terça na CCJ

  • 04/10/2017 19h54
  • Brasília
Iolando Lourenço e Heloisa Cristaldo - Repórteres da Agência Brasil

 
O presidente da CCJ, Rodrigo Pacheco, recebe de Eduardo Carnelós a defesa de Temer Wilson Dias/Agência Brasil

Apresentadas as defesas contra a denúncia envolvendo o presidente Michel Temer e os ministros Eliseu Padilha, da Casa Civil, e Moreira Franco, da Secretaria-Geral da Presidência da da República, começa a contar a partir desta quinta-feira (5) o prazo regimental de cinco sessões para o relator, Bonifácio de Andrada (PSDB-MG), apresentar o parecer e colocá-lo em discussão e votação na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados.

O presidente da CCJ, Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), disse que até terça-feira (10) o parecer de Andrada será apresentado na comissão. Com pedido de vistas, os deputados terão duas sessões para estudar o parecer, que será votado pela comissão, na semana seguinte ao feriado de 12 de outubro.

“Nós vamos designar para a semana que vem, de acordo com a agenda do deputado Bonifácio de Andrada, a sessão da CCJ para a leitura do parecer. Uma vez lido esse parecer, os advogados de defesa terão prazo igual ao que o relator fizer uso para fazer a sustentação oral da defesa”, explicou Pacheco.

O deputado reafirmou manterá a indicação de Bonifácio de Andrada para a relatoria da denúncia na CCJ e disse que cumprirá “exatamente” o regimento da Câmara, caso o relator seja retirado da comissão pelo partido. Nesse caso, sendo de interesse do relator, ele poderá exercer o cargo se for indicado na vaga de outro partido.

“Considero que a escolha do Bonifácio está feita, ele é parlamentar ativo, membro da Comissão de Constituição e Justiça. Não acredito que uma eventual licença do partido seja im inibidor, do ponto de vista regimental, para que ele relate a matéria. Mas vamos fazer essa avaliação. e pode ter certeza de que tudo que for adequado regimentalmente nós vamos cumprir”, acrescentou.

Repercussão
A defesa dos acusados foi recebida nesta tarde pela comissão. Temer e os ministros Padilha e Moreira Franco foram acusados pela Procuradoria-Geral da República dos crimes de obstrução de Justiça e organização criminosa. Para o advogado Eduardo Carnelós, que representa Temer, a denúncia é uma “tentativa de golpe” e uma “das mais absurdas acusações de que se tem notícia na história do Brasil”.

“Trata-se de uma peça absolutamente armada, baseada em provas forjadas feitas com objetivo claro, e até indisfarçado, de depor o presidente da República”, disse. “[É uma] denúncia com tantos vícios, tantas inconsistências, feitas sem suporte probatório. Não há nenhum documento que possa demonstrar qualquer indício da prática de crime pelo presidente da República”, completou Carnelós.

O líder do PHS na Câmara, Diego Garcia (PR), rebateu a afirmação de Carnelós e defendeu a investigação do presidente Michel Temer e dos ministros. “Na verdade não foi golpe nenhum. O golpe foi o que essa quadrilha, essa organização criminosa criada dentro PMDB fez e cometeu contra o Estado e contra o povo brasileiro. Queremos a investigação – isso é o óbvio – mas, infelizmente, nesse cenário, temos que defender aqui na Casa o óbvio, que é a apuração desses fatos”, afirmou Garcia.

Para Garcia, há uma tentativa de enfraquecer a denúncia elaborada pelo então procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pouco antes de deixar o cargo. “Eles estão tentando fragilizar a denúncia, que é muito consistente e traz elementos novos, diferentes da primeira, como o avanço da própria investigação do Ministério Público. Traz um novo cenário dos acontecimentos que ocorreram entre a primeira e a segunda denúncias”, acrescentou o parlamentar. “É um dos nossos papéis principais a investigação, e não podemos impedir de que o presidente da República seja investigado. Ninguém está acima da lei no nosso país”.

O vice-líder do governo na Câmara, Beto Mansur (PRB-SP), disse que a tramitação da denúncia deve ser acelerada na Casa e reiterou que o pedido de investigação deve ser arquivado pela Câmara. "Nós devemos votar isso com rapidez, até porque uma denúncia contra o presidente da República mexe muito com o dia a dia na Câmara, e nós temos que tirar isso da frente. Tenho certeza de que vamos vencer mais uma vez, arquivando esta segunda denúncia”.

Para Beto Mansur, as  denúncias são totalmente inócuas, sem cabimento. "O ex-procurador [Rodrigo Janot] trabalhou incansavelmente com sua equipe para tentar derrubar o presidente. Foi uma grande conspiração que se fez já na primeira denúncia e está se tentando na segunda denúncia, e o Brasil não quer aceitar uma situação como essa”, concluiu.

Para o deputado Carlos Marun (PMDB-MS), um dos principais interlocutores do governo na Câmara, a denúncia será arquivada com placar mais favorável ao presidente Temer do que o registrado na votação da primeira. Na ocasião, o plenário da Casa registrou 263 votos a favor do parecer do deputado Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG), o que levou à rejeição do pedido de investigação de Temer. Houve 227 votos contra, duas abstenções e 19 ausências.

“A denúncia é frágil, e até diria que é uma denúncia rançosa, tipo manteiga velha, apresentada por um denunciante cada vez mais fragilizado. Eu tenho cada vez mais convicção de que será recusada, rejeitada pelo Parlamento de uma forma até mais tranquila do que a anterior”, afirmou Marun.

Edição: Nádia Franco


quinta-feira, 14 de setembro de 2017

Serra Pelada em resgate



Ação Cívico Social beneficia centenas de moradores de Serra Pelada
Para a Aciso, o Exército trouxe todo o seu aparato, a Prefeitura os serviços públicos e a Vale deu o apoio logístico.





Atendimento médico e odontológico, entrega de medicamentos, aferição de pressão e diabetes, orientação e atualização de cadastro do Bolsa Família, entre outros atendimentos de saúde e sociais foram disponibilizados para a comunidade de Serra Pelada, em Curionópolis, na manhã desta sábado (9), na Escola Municipal Ângela Bezerra, durante a Ação Cívico Social (Aciso) do Exército Brasileiro.
A Prefeitura de Curionópolis e a Vale foram parceiras na realização do evento, que atendeu centenas de pessoas.
Rogério Macedo, chefe de Gabinete do Executivo destacou a importância do evento para a comunidade: “mais de 400 atendimentos foram feitos hoje e isso é só o início. Nós tivemos um compromisso de campanha, de atender Serra Pelada em suas principais demandas, e assim o governo do nosso prefeito Adonei Aguiar tem feito. Temos estado bem próximo à essa população tão carente”.
“Para a Aciso, o Exército trouxe todo o seu aparato, a Prefeitura os serviços públicos e a Vale deu o apoio logístico. Escolhemos Serra Pelada para a ação por que entendemos que é uma comunidade carente e que está próxima das nossas operações. O apoio da Prefeitura no evento é fundamental, sem ele não teria como se realizar”, afirmou Adenilson José de Souza, do setor de relações com a comunidade da Vale.
Kelma Oliveira, secretária de saúde de Curionópolis, informou que foram disponibilizados para ação: dois médicos, quatro enfermeiras, duas técnicas de enfermagem, uma farmacêutica, duas técnicas administrativo, além dos Agentes Comunitários de Saúde (ACS) da Serra Pelada e também aparelhos de medir pressão e glicose.
“É uma ação muito importante porque a gente atrai um grande público e assim conseguimos detectar pessoas que têm alguma doença crônica e que precisam de acompanhamento, como o caso da diabetes, e em seguida fazer a busca ativa desse paciente”, informou a secretária de saúde.
A dona de casa Maria de Lorde Pereira mora há 30 anos na Serra Pelada, ela tem diabetes e faz acompanhamento no postinho de saúde da localidade, mas sempre aproveita essas ações para monitorar ainda mais sua saúde. “Senti que minha diabetes estava alterada hoje, aproveitei o evento para vir me consultar e trazer meus netos para se divertir um pouquinho”.
Durante o Aciso houve uma programação especial para as crianças, com distribuição de pipoca, cachorro-quente e pirulito, além de muitas brincadeiras e pintura de rosto. Os pequenos e os adultos prestigiaram também apresentações folclóricas, de karatê e da banda do Exército do 52º Batalhão da Infantaria de Selva, que tocou músicas conhecidas da população.

sábado, 13 de maio de 2017

A vida é ótima!



Por que os russos são loucos pela América Latina?



12 de maio de 2017 Victória Arbaiza, Gazeta Russa
De clima a festas a telenovelas, diversos motivos movem a paixão russa.

Relacionadas

A Gazeta Russa entrevistou trinta russos para tentar entender por que, apesar de tão distante, a América Latina desperta esse apreço especial nos seus corações.


1. "A América Latina nos entende"



Simpatia e carinho brasileiro acalentam os russos. Na foto, moscovita que se apaixonou pelo carnaval do Rio. / Foto: Instagram/ @go_blondie

Para um russo é muito importante se sentir compreendido e respeitado, e os latino-americanos lhes transmitem esse sentimento. Os russos afirmam que o tratamento nos Estados Unidos e na Europa é diferente, há uma tensão. Já na América Latina, os russos são recebidos com simpatia e carinho.

"É difícil explicar por que os latino-americanos respeitam e amam os russos. Talvez compartilhemos as relações difíceis com os Estados Unidos ou porque nossa própria história seja cheia de altos e baixos, mas me sinto confortável lá. Ali, eu não tenho que dizer que para ninguém que ser russo não é uma coisa ruim", disse Vitáli, 32, empresário tem negócios em diversos países latino-americanos.

2. Laços estreitos, companheiros


O secretário do Partido Comunista, Leonid Brejenev, é recebido por Fidel em Cuba. / Eduard Pesov/RIA Novosti

A Rússia tem fortes laços históricos com diversos países latino-americanos, inclusive no que diz respeito à emigração do início do século 20, à emigração religiosa (os velhos crentes), às figuras de Fidel Castro e Che Guevara, ao intercâmbio de estudantes e à cooperação científica que começou nos tempos soviéticos. "Acredito que a Rússia e a América Latina sempre tenham se apoiado mutuamente nos momentos difíceis de sua história, e espero que isso não mude", diz Iúlia, uma moscovita de 29 anos.

3. O paraíso na Terra
Falta de sol, calor e praia é suprida do outro lado do mundo. / Foto: Porto Bay Hotels & Resorts - Flickr: Rooftop View

A América Latina é um paraíso aos olhos de muitos russos, já que esses sentem uma enorme falta do sol, da praia e do verão. Segundo os entrevistados, a única deficiência da América Latina é sua distância, que não permite viagens frequentes a partir de seu país de origem.

4. Chorando com as novelas mexicanas

 Atrizes como Veronica Castro preenchiam o imaginário russo com sonhos e romances. / Foto: Wikipedia

Todos os entrevistados ressaltaram que assistiam a telenovelas mexicanas e brasileiras, ou que seus parentes e amigos adoram as histórias de amor da América Latina.

Na década de 1990, milhões de russos ficavam hipnotizados na frente da TV esperando pelas atrizes Verónica Castro (de “Os ricos também choram”), Victoria Ruffo (de “Simplesmente Maria”) e Natalia Oreiro (de “Muñeca brava”). Elas estão entre as atrizes estrangeiras mais amadas da Rússia.

5. Comes e bebes

 Apesar de muitos não terem pisado na América Latina, russos se identificam com frutas exóticas, comida apimentada, cachaça e tequila. / Foto: Shutterstock

Para os russos, comida boa é fundamental. Embora quase metade dos entrevistados nunca tenha estado na América Latina, essees acreditam que a comida e as bebidas da região sejam excelentes. Os respondentes apreciam frutas exóticas, boa carne, pratos picantes e as bebidas fortes produzidos na América Latina. 

6. Gente festeira

 "Adoramos torrar dinheiro em festa", diz entrevistado russo. Foto: arquivo.

O caráter alegre e festivo dos latino-americanos é parecido com o dos russos, assim como sua hospitalidade, cordialidade e generosidade. "Os latino-americanos sabem como festejar e celebrar. Seus casamentos duram vários dias. Creio que os russos sejam muito parecidos nesse aspecto. Nós gostamos de torrar dinheiro", diz Ígor, 40.